Senado

Ciro Nogueira cita Petrônio para justificar mudança de opinião sobre Bolsonaro

"Mudar de opinião não é contradição. Desde que seja para melhor", discursou o ministro

Bolsonaro abraça o novo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira

Bolsonaro abraça o novo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Já ensinava o ex-senador e ex-governador de Minas Gerais, banqueiro Magalhães Pinto, que "política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou". O senador piauiense Ciro Nogueira (Progressistas) - até ontem eleitor de Luiz Inácio Lula da Silva e ferrenho opositor de Jair Bolsonaro, a quem chamava de "fascista" - foi oficializado no cargo de ministro-chefe da Casa Civil, na tarde desta quarta-feira (4), em solenidade das mais concorridas em Brasília.
Citando Petrônio Portela, tio-avô das filhas que teve com a deputada federal Iracema Portela, Ciro Nogueira justificou a mudança de lado.

“A política provoca choques, tremores e abalos, e gostaria que toda vez que me visse presidente, lembrasse de um amortecedor. Meu nome é temperança e o sobrenome é equilíbrio. O sábio Petrônio nos deixou a lição de que não há problema em mudar de opinião. Mudar de opinião não é contradição. Desde que seja para melhor. Conte com este amortecedor para que o ambiente, por vezes agitado dos nossos tempos, tenha neste seu leal servidor alguém sempre comprometido com a pacificação, a estabilização, a unidade”, prontificou-se o novo auxiliar de Bolsonaro.


Além da presença de Jair Bolsonaro, a quem abraçou com entusiasmo, prestigiaram a oficialização de Ciro Nogueira como ministro, os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara dos Deputados, Arhur Lira. “Teria sido mais fácil, sim, não enfrentar este desafio neste momento de tantas dificuldades, de tanta radicalização, de tantas críticas. Teria sido mais fácil, senhor Presidente, me acovardar com um pretexto qualquer, ao receber o cativante e honroso convite de vossa Excelência para integrar o governo, num momento em que tudo está difícil. Em que o mundo está difícil, a economia está difícil, as pessoas estão difíceis, a realidade está difícil, o Brasil está difícil, a política está difícil, em que o difícil parece ser o novo normal", discursou.

"Teria sido mais fácil, senhor Presidente, continuar exercendo as minhas funções de senador da República pelo meu amado estado do Piauí, sabendo que poderia, sempre, contar com a lealdade e o prestígio que nunca me faltaram de Vossa Excelência para levar benefícios para os piauienses e realizar, assim, um mandato produtivo como senador", prosseguiu Ciro Nogueira, rasgando elogios ao ex-desafeto.

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta o ministro Ciro Nogueira
Foto: Agência Brasil


"Eu tive a honra de aceitar o convite de Vossa Excelência para assumir a chefia da Casa Civil da Presidência da República, nestes momentos incertos que o país vive, porque isso é o mais certo. Porque, com a minha presença, me somando à equipe de seus ministros e ministras, nós vamos ajudar o Brasil a dar os sinais certos para onde nós estamos indo. O primeiro deles, senhor Presidente, e que não tenham dúvida: a democracia é líquida e certa. Difícil por natureza, mas é a coisa certa. E é por ela que estou aqui, é por ela que todos estamos aqui, é por ela que Vossa Excelência está aqui: para cuidarmos dela, para zelarmos por ela, para aprofundarmos na diversidade, nas diferenças a nossa realidade democrática", justificou.

“Este momento representa um ponto de inflexão importante e digno de destaque. A travessia de seu governo, senhor Presidente, durante a maior pandemia da história da humanidade, produziu ondas e abalos gigantescos. Graças ao maior programa assistencial da história do Brasil, os brasileiros não ficaram à deriva. A vacinação agora avança e, em breve, teremos todo o nosso país completamente imunizado e a economia pronta para crescer. Estamos cruzando o cabo das Tormentas. Das tormentas políticas, das tormentas sociais, econômicas e institucionais. Vossa Excelência é nosso timoneiro, e eu serei como aquele ajudante que estará constantemente ao seu lado, avisando dos perigos no percurso, tentando ajudar a enxergar em meio à névoa e querendo, sempre, auxiliá-lo a encontrar o rumo certo”, prometeu.

“Temos agora, até o fim do seu atual governo, um período que conduzirá às eleições de 22. E é nosso dever preparar o país para chegar às eleições da forma certa, com a economia no prumo certo, com a política ajustada da maneira certa, com a vacinação garantida e certa para todos os brasileiros, com o programa de assistência social certo para que os brasileiros não vivam momentos incertos. E, principalmente, com os indicadores econômicos cada vez mais mostrando que o Brasil está dando certo", avaliou o novo ministro.

"O que é certo, senhor Presidente, pode ser muitas vezes atacado. O que é certo pode ser vítima de todo o tipo de injustiças e preconceitos. O que é certo pode sofrer todo tipo de dificuldade. Mas ao final, senhor Presidente, a história mostra que, o que é o certo é, e será sempre, o certo", filosofou.

“Apesar de todas as dificuldades que o seu governo enfrentou e enfrenta, com as reformas e, agora, com a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência, vamos acelerar a geração de empregos, vamos acelerar a economia. Seu governo não é de palavras, Presidente. Seu governo não é de palanques. Seu governo é de ações. E são as ações que serão julgadas, no momento certo”, alertou o senador, que deixou a mãe, Eliane Nogueira, ocupando a sua cadeira no Senado.

"Vossa Excelência trouxe para cá um nordestino. E não apenas um nordestino. Um nordestino do historicamente esquecido, mas sempre guerreiro e altivo estado do Piauí. Podemos dizer que vossa Excelência trouxe para o coração de seu governo um nordestino, para compartilhar com ele uma parte das importantes decisões que tem de tomar. O Nordeste está no núcleo do poder, Presidente, por decisão sua", disse Ciro Nogueira. Vale lembrar que a grande maioria dos eleitores do Nordeste votou contra Bolsonaro.  

Fonte: Agência Brasil

Dê sua opinião: