Poderes

MPT-PI e TRT conseguem acordo e evitam nova greve de motoristas e cobradores

A convenção coletiva prevê um reajuste de 6,97% nos salários atuais de motoristas, cobradores e fiscais.

A convenção coletiva prevê um reajuste de 6,97% nos salários de motoristas, cobradores e fiscais

A convenção coletiva prevê um reajuste de 6,97% nos salários de motoristas, cobradores e fiscais Foto: MPT-PI

O Ministério Público do Trabalho no Piauí (MPT-PI) intermediou, juntamente com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), o acordo que resultou na assinatura de uma convenção coletiva envolvendo o transporte público de Teresina. Com isso, pela primeira vez, se chega a um acordo para se evitar a greve dos trabalhadores do transporte público da capital.

A convenção coletiva prevê um reajuste de 6,97% nos salários atuais de motoristas, cobradores e fiscais. Além disso, o auxílio-alimentação sai de R$350 para R$500 e o auxílio-saúde sai de R$80 para R$107. O acordo foi assinado pelo Sindicato das Empresas do Transporte Urbano de Passageiros de Teresina (Setut), Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviários (Sintetro), com as presenças de representantes de todos os consórcios que operam no transporte público da capital, além de membros da Procuradoria Geral do Município de Teresina, Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), TRT e MPT.

De acordo com o procurador do Trabalho, Edno Moura, que intermediou as negociações, a assinatura da convenção coletiva foi a melhor alternativa para todos. “O acordo foi excelente. Pela primeira vez, a categoria terá um ganho real. Não foi um acordo fácil, mas prevaleceu o diálogo e conseguimos avançar em uma proposta que foi favorável para todos, inclusive para a sociedade que contará com a frota circulando normalmente, sem a descontinuidade dos serviços”, avaliou.

A opinião foi compartilhada pelo Sintetro. “Avalio de forma positiva. Foi o melhor acordo que conseguimos nos últimos anos. Prevaleceu a experiência e entendimento do Dr Edno e da juíza Dra Sylvia Helena, que intermediaram as negociações com todos os envolvidos”, disse o presidente do Sintetro, Antônio Cardoso.




O superintendente da Strans, coronel Edvaldo Marques, sustentou que a Prefeitura de Teresina estava empenhado em resolver o problema, participando de reuniões com todas as categorias. “Essa audiência de conciliação foi fundamental. Além de colocar o aporte de recursos que possibilita o reajuste nos salários, vale-alimentação e auxílio saúde, também estamos disponibilizando um subsídio para a manutenção da frota para garantir uma melhor qualidade ao sistema e uma melhor prestação de serviços aos usuários. Agora, é importante que todos possamos trabalhar em conjunto em benefício da população de Teresina”, pontua.

A possibilidade de greve no transporte público da capital vinha sendo cogitada pelos trabalhadores após impasses com a Prefeitura de Teresina e o Setut sobre o reajuste salarial da categoria. Com a convenção coletiva assinada nesta terça-feira, a greve foi descartada e os ônibus circularão normalmente.


Fonte: MPT-PI

Dê sua opinião: