Poderes

Hildeth Evangelista defende um gabinete acessível aos advogados no TJ/PI

A advogada e defensora pública concorre à vaga de desembargadora pelo Quinto Constitucional

Hildeth Evangelista terá um gabinete acessível para os advogados se eleita desembargadora

Hildeth Evangelista terá um gabinete acessível para os advogados se eleita desembargadora

Candidata a vaga de desembargadora do Tribunal de Justiça do estado do Piauí pelo Quinto Constitucional, a advogada e defensora pública  Hildeth Evangelista participou, na quarta-feira (13), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Piauí (OAB-PI), de debate entre candidatos que concorrem ao pleito.

Na oportunidade, Hildeth Evangelista anunciou que, caso seja escolhida para o cargo, irá criar em seu gabinete, o canal Fala Advogado, utilizando a tecnologia da informação para o otimizar o atendimento às demandas da classe advocatícia no Tribunal.
“Vamos criar um gabinete acessível, trazendo advogados e advogadas para trabalharem conosco, nos ajudando a gerenciar o gabinete, de modo a implementarmos boas práticas em gestão, respeitando as prerrogativas da Advocacia e os honorários dos profissionais”, pontua.

Sobre as prerrogativas, Hildeth Evangelista, que tem experiência na advocacia privada e pública, destacou que “são instrumentos, ferramentas de trabalho e proteção para os advogados. Por isso, nosso gabinete será um gabinete acessível aos advogados”.

Juizados Especiais e Turmas Recursais

Dos dezoito temas escolhidos pelos advogados para serem sorteados aos candidatos, Hildeth Evangelista tratou sobre juizados especiais e turmas recursais. A advogada observou que a taxa de congestionamento dos juizados da capital é, de acordo com o SEGEs-TJ/PI, de cerca de 74% e nas turmas recursais essa taxa é de cerca de 92% (1º semestre de 2021).

“É um problema enorme. Um processo leva, em média, quatro anos para ser colocado em pauta. A Lei 9.099/95 não está sendo cumprida no Piauí. Minha proposta é fazer um planejamento e implementar um projeto piloto imediato nos juizados, com juízes exclusivos para desafogarem essas demandas nas Turmas Recursais, a exemplo da Justiça Federal, que elevou a sua produtividade após a titularização, em causas consideradas de baixa complexidade e inferiores a 40 salários mínimos”, assinala.

Hildeth Evangelista

Hildeth Evangelista, que concorre à vaga de desembargadora do TJ-PI com o número 25, vem de família de advogados. Tem experiência em Advocacia Privada e Pública. Foi a única mulher do Piauí a ser delegada-geral da Polícia Civil e defensora pública geral por dois mandatos. É membro do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), órgão do Ministério da Justiça.

Dê sua opinião: