Poderes

Governo do Estado realiza ação de prevenção à violência contra a mulher no Carnaval

As ações socioeducativas fazem parte da campanha do Carnaval Massa - “Só se eu quiser....#Nãoénão”

Carnaval seguro: tecnologia auxilia combate à violência contra a mulher

Carnaval seguro: tecnologia auxilia combate à violência contra a mulher Foto: Thanandro Fabrício/ETIPI

O Governo do Estado do Piauí, por meio da Secretaria de Estado das Mulheres do Piauí (Sempi), realiza em Teresina e municípios, ações socioeducativas da campanha do Carnaval Massa “Só se eu quiser....#Nãoénão”.


Em Teresina, o Carnaval da Marechal, que acontece até o dia 13 de fevereiro, tem equipe psicossocial distribuindo materiais informativos de prevenção à violência doméstica e realizando diálogos com a população sobre a prevenção da violência contra as mulheres ao tempo que informa os canais de proteção.


Os blocos de Carnaval receberam materiais da campanha e 34 municípios estão realizando ações de forma concomitante. A coordenadora de Saúde da Mulher, Gislândia Gonçalves, destaca que o Carnaval Massa é uma forma de lembrar a população de que a diversão combina com respeito. "Quando estamos presentes em eventos festivos, a população tira dúvidas sobre o que é ou não violência e as mulheres passam a ter coragem de romper o ciclo de violência para serem assistidas pela rede de proteção às mulheres do Estado", frisa.


Técnica em radiologia Yulla Silva
Foto: Paulo Barros


Uma das foliãs que participou da ação do governo na noite de domingo (11), em Teresina, durante o Carnaval da  Marechal, foi a técnica em radiologia Yulla Silva. Ela destacou que o adesivo #NãoéNão é importante porque muitas mulheres ainda não estão informadas com relação à importação sexual. “Esses adesivos são pequenas coisas que, no final, são grandiosas porque ajudam bastante, principalmente em festas grandes como essa, onde os homens geralmente se acham mais livres para tocar na mulher mesmo sem ela permitir”, afirmou.


Assistente social Talita Pereira e a fisioterapeuta Alana Glínia
Foto: Paulo Barros


Outra mulher que também colou o adesivo no corpo foi a assistente comercial Talita Pereira. “Eu acho bastante importante a campanha porque a gente, no carnaval, fica muito vulnerável. Certos homens chegam achando que podem pegar na gente sem nosso consentimento. E não, a gente está aqui para se divertir. É isso que a gente queria que eles entendessem”, frisou a gerente.

A fisioterapeuta Alana Glícia destacou que o decalque simboliza uma proteção para a mulher e que a campanha também serve para as gerações futuras. “Nós, enquanto mulheres, sabemos que estamos protegidas e sendo conscientizadas em relação a isso. É muito importante não só para a gente, mas para a geração nova, principalmente para as crianças saberem que estão asseguradas e protegidas e sendo conscientizadas de alguma forma”, afirmou.

A coordenadora da Rede de Atendimento às Mulheres, Andrea Bastos, pontua que é muito importante a mulher saber reconhecer os principais sinais da violência para romper e pedir ajuda, pois não é fácil para algumas mulheres quebrar o silêncio, e o Estado tem feito isso na Capital e municípios através das OPMs, com ações de sensibilização sobre a tema. "Percebemos que as mulheres se sentem mais seguras para se divertir quando há ações como essas".

O escrivão de polícia, Flávio Henrique Nogueira, da Polícia Civil do Estado, pertencente à Gerência de Operações e Investigações Criminais da Secretaria de Segurança Pública, enfatizou a integração das ações da Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Ele explica que há Centro Integrado de Segurança nos eventos com maior número de foliões, com atendimento também especializado à mulher, permitindo que elas registrem a ocorrência de importunação sexual ou qualquer tipo de violência.

Nos municípios que têm Organismos de Políticas para as Mulheres, estão acontecendo ações de prevenção à violência doméstica. Além disso, serviços como prevenção às drogas, DSTs e conscientização de trânsito seguro estão acontecendo para que o carnaval aconteça com alegria e respeito.


Jogadora da seleção reforçaram a campanha "Não é Não"
Foto: CCom



Em Monsenhor Gil, a seleção feminina de futebol participou do Campeonato do Carnaval no domingo (11), jogando enquanto exibiam as tatuagens removíveis com a mensagem "Não é Não". As mulheres de Monsenhor Gil entraram em campo empoderadas, mostrando à população presente que o lugar da mulher é onde ela quiser, inclusive, dentro do campo. Em Dom Inocêncio, alunos da Escola Ailton Gomes de Silva foram instruídos de maneira didática sobre a importância do respeito entre colegas, promovendo uma abordagem humanizada.

A rede de atendimento da SEMPI, como o Protocolo “Ei, mermã, não se cale”, atende 24 horas por dia através do telefone 0800 000 1673. Outros canais de atendimento para mulheres que foram assediadas são os números 190 (Polícia Militar), 180 (Central de Atendimento à Mulher) e 100 (Violação dos Direitos Humanos).

Fonte: SEMPI

Dê sua opinião: