Poderes

Produtores de grãos reclamam da morosidade nas obras das estradas nos Cerrados

O DER ainda não iniciou os trabalhos de obras de infraestrutura nas estradas de escoamento da safra

Os caminhoneiros estão tendo dificuldades de transportar a safra de milho e soja no Piauí

Os caminhoneiros estão tendo dificuldades de transportar a safra de milho e soja no Piauí

Não é novidade que a região produtora de grãos do Piauí há anos aguarda a conclusão de várias obras de infraestrutura, em especial das estradas de escoamento das safras de milho e soja que ano após ano quebram recordes de produtividade. A novidade agora é que mesmo com recurso garantido, projeto concluído e obra licitada o trabalho não segue e ainda pode impedir o aproveitamento dos trechos de estrada que estão em fase de conclusão.

Enquanto o Piauí segue para se tornar o maior destaque na produção nacional de soja,  3 milhões de toneladas, o Idepi (Instituto de Desenvolvimento do Piauí) deve concluir um dos três trechos de asfaltamento prometidos pelo Governo, no entanto o pedaço de estrada de 26km corre o risco de levar nada a lugar nenhum, já que os demais trechos, mais antigos e de responsabilidade do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), não saem do papel.  O trecho que está sendo construído pelo Idepi está orçado em R$ 19,5 milhões e começa a 16 km depois da cidade de Baixa Grande do Ribeiro, sentido Currais e leva até depois da sede da Bunge Alimentos, no quilômetro 43,36.

“Será um trecho de estrada que vai ficar no meio da Serra sem ligação nenhuma com a rodovia que é a chamada Rodovia da soja. O secretário de fazenda, que também é coordenador do Pró Piauí, esteve no cerrado há um mês e apresentou um projeto aí muito ambicioso.  Ele prometeu um conjunto de recuperações e de obras muito significativo e mostrou disposição financeira para isso. Inclusive hoje a única obra que de fato está sendo tocada no estado é com recurso estadual, que é uma obra PI-392 do segundo trecho que foi licitado através do Idepi”, afirma Alzir Neto, presidente da Aprosoja Piauí (Associação dos Produtores de Soja do Piauí).

A PI-392 passa pelas principais regiões produtoras; Uruçuí, Baixa Grande do Ribeiro,  contempla uma parte Santa Filomena, Bom Jesus, Currais e Palmeiras. Funcionando como grande cinturão, um grande anel, sendo um eixo central de leste-oeste, que liga a outra rodovia também de extrema importância para o escoamento de grãos do Piauí, que é Transcerrados, que é um eixo norte-sul.

Segundo informa a entidade representativa dos produtores, desde 2013 as obras que são da responsabilidade do DER são aguardadas. São dois trechos importantes, um deles de apenas 16k m e que é o principal, cuja obra não anda. Neste trecho houve uma retomada em setembro do ano passado com a construtora Terracon. O valor da obra é de R$ 4,5 milhões.

Em outubro do ano passado a enxurrada destruiu i outro trecho da PI-392 que está sob responsabilidade do DER. A estrada que vai de Currais a Bom Jesus ficou completamente destruída e os produtores tiveram que realizar a recuperação para poder receber os insumos e não prejudicar o plantio.

Diante da morosidade do Departamento em recuperar o trecho que rompeu logo na primeira chuva o Sindicato Rural de Bom Jesus adiantou a recuperação investindo cerca de R$ 300 mil. Na época uma nota chegou a ser emitida pelo DER na qual o órgão alegou ser de responsabilidade dos próprios produtores o rompimento da estrada. A nota oficial do órgão foi rechaçada pelo Sindicato.
Segundo o Departamento, as obras de asfaltamento - que interliga municípios de Currais, Bom Jesus e Baixa Grande do Ribeiro devem ser entregues totalmente pavimentadas até o inicio do próximo ano através do Pro Piauí. Segundo Alzir Neto, diante de toda morosidade que o poder público vem demonstrando em solucionar a questão de infraestrutura na região, o temor dos produtores é de que o  asfalto prometido se resuma aos 26km realizados pelo Idepi, que ficarão em cima da serra levando nada a coisa nenhuma.

Confira vídeos que mostram a situação das estradas e a tentativa dos produtores de grãos de arrumar as vias para as carretas poderem transportar os grãos.

Fonte: Ascom

Dê sua opinião: