Demais Poderes

Oposição protesta no Plenário da Câmara contra as mais de 500 mil mortes por Covid-19

Cruzes com laços pretos simbolizaram os brasileiros mortos durante a pandemia

Cruzes e críticas contra o governo Bolsonaro no Plenário da Câmara

Cruzes e críticas contra o governo Bolsonaro no Plenário da Câmara Foto: Agência Câmara

Deputados de oposição fizeram um ato no Plenário da Câmara, na terça-feira (22), contra as mais de 500 mil mortes por coronavírus. Eles espalharam cruzes com laços pretos para simbolizar os brasileiros mortos durante a pandemia e, em ação coordenada de pronunciamentos, subiram o tom das críticas contra o governo Bolsonaro.

O líder da Minoria, deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ), disse que o ato foi organizado para pedir ações em defesa da vacina e contra Jair Bolsonaro. “O que estamos aqui dizendo é que é preciso dar um basta em um governo absolutamente irresponsável. Bolsonaro agiu de forma errada, por ideologia, negando a ciência e contrariando governadores”, criticou.

Já o líder da Oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que o governo federal negou a gravidade da doença, provocou aglomerações e ridicularizou o uso de máscara. “Essas 500 mil mortes não foram por acaso, essas mortes não foram inevitáveis. A maior de todas as irresponsabilidades foi a recusa do governo de comprar vacina nos primeiros momentos em que nós poderíamos as ter comprado”, disse. Ele ainda destacou as notícias de compra de imunizantes indianos em valores superfaturados.

Para o líder do PCdoB, Renildo Calheiros (PCdoB-PE), os brasileiros tiveram “a infelicidade de serem atingidos pela pandemia no período em que a nação está sem presidente”. “O presidente da República é um homem doente, que está levando o País ao caos. É evidente que o País não pode continuar com Bolsonaro, não podemos aceitar um presidente como esse que comete um genocídio contra o povo brasileiro”, disse.

A deputada Lídice da Mata (PSB-BA) disse que deputados se uniram em luto contra os milhões de brasileiros atingidos pela pandemia na certeza de que as mortes poderiam ser evitadas por ações governamentais. “A mentira que o governo repete todo dia é que vai comprar 400 milhões de vacinas e que isso acaba o problema. Elas deveriam ter sido compradas lá atrás para evitar esse registro tão dramático de 500 mil mortes”, disse.

Pedidos de impeachment
Ela lamentou ainda que governistas comemorem o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), mas se esquecem do crescimento da fome, da miséria, do desemprego, do aumento do preço dos combustíveis e dos produtos da cesta básica. “Que possamos fazer que a Câmara compreenda que não pode haver mais de 100 pedidos de impeachment e continuarmos calados”, disse.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) defendeu a aprovação de um projeto que permite a votação de requerimento de urgência para impeachment. Se aprovado, o presidente da Câmara será obrigado a criar a comissão para analisar o tema. Hoje em dia, apenas o presidente da Câmara tem o poder de dar seguimento ao pedido de afastamento do presidente da República.

Governo
Na sessão de segunda-feira, o líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), foi à tribuna ressaltar as ações do governo federal durante a pandemia. “Registramos aqui a nossa solidariedade expressa, do Governo e dos Parlamentares da base do Governo, com as famílias enlutadas por nossos compatriotas que foram contaminados pela Covid-19 e faleceram”, disse.

Ele destacou a edição de medida provisória que liberou R$ 20 bilhões para compra de vacinas, e o investimento de mais de R$ 700 bilhões em ações para combater a doença e duas repercussões na economia. “Houve um esforço enorme do governo”, ressaltou.

Barros afirmou que o governo estabeleceu o auxílio emergencial e já prepara uma nova política social. “Vem por aí um novo programa social que é uma rampa de ascensão social. Nele, as pessoas serão apoiadas e estimuladas a terem a sua autonomia financeira, com qualificação”, afirmou.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Dê sua opinião: