Poderes

Live com Wellington Dias detalha Plano Nacional de Vacinação contra Covid-19

A transmissão será realizada através das redes sociais Youtube e Facebook

Governador Wellington Dias está satisfeito com os resultados

Governador Wellington Dias está satisfeito com os resultados

O governador do Piauí,  Wellington Dias realiza, nesta terça-feira (1º), às 12h, uma live para tratar das ações de combate à Covid-19 e as questões relativas ao Plano Nacional de Vacinação contra a doença.

A transmissão será realizada através das redes sociais:

Canal do Governo do Estado no Youtube - https://bit.ly/3loOHiI
Página do Governador Wellington Dias no Facebook - https://bit.ly/2KWbwxD
Página do Governo do Estado no Facebook - https://bit.ly/3lriveu

Vacinação por agendamento

O governador do Piauí, Wellington Dias, explica que o Fórum dos Governadores apresentou a proposta do agendamento da vacina para facilitar a imunização de todos os brasileiros contra a Covid-19. “A dona Maria vai tomar vacina no dia 8 de janeiro, às 9h15, em tal posto de vacinação. Isso facilita”, defende o governador.  “A notícia boa é que tem uma perspectiva muito grande de ainda em dezembro concluir a terceira etapa dos testes e exames pelos laboratórios. Isso vai permite que Anvisa, no rito acelerado que já aprovou, possa começar a vacina em janeiro, quem sabe janeiro, fevereiro, março poder fazer a vacinação no Piauí e no Brasil”, adiantou.

Wellington Dias adiantou que as vacinas serão aplicadas em duas doses, dependendo de cada fabricante, em intervalos de uma semana ou um mês. “Essas vacinas estão exigindo duas doses, aplica uma dose e algum tempo, uma semana, um mês, seis meses, dependendo da vacina tem que ter uma segunda dose. Quem tomou da primeira dose vai ter que tomar da mesma vacina a segunda dose, se não vai dar problema. Esse controle que eu acho que o agendamento com esse sistema nacional vai dar bom resultado e estou bastante animado. Tendo esse plano nacional permite que a gente tenha o Brasil inteiro trabalhando ao mesmo tempo. Tente imaginar um estado vacinando e outro não. Isso geraria um tumulto muito grande”, avaliou

Fonte: CCom

Dê sua opinião: