Poderes

Justiça liberta mulher que aplicou soro fisiológico ao invés de vacina em empresários

Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas foi presa na terça-feira (30) pela Polícia Federal

Sesapi esclarece sobre o início da vacinação de pessoas com deficiência no Piauí

Sesapi esclarece sobre o início da vacinação de pessoas com deficiência no Piauí Foto: Reprodução

O TRF 1 (Tribunal Regional Federal) concedeu neste sábado (3) liberdade provisória à mulher apontada como a responsável por aplicar injeções em um grupo de pessoas, incluindo empresários, em Belo Horizonte, como se elas fossem vacinas contra a Covid-19.

Segundo laudo da Polícia Federal, o líquido das injeções era soro fisiológico.

Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas foi presa na terça-feira (30) pela Polícia Federal, mas neste sábado a desembargadora Ângela Catão concedeu o habeas corpus solicitado pela defesa.

O Coren-MG (Conselho Regional de Enfermagem) informa que não consta nos seus registros a inscrição de profissional de enfermagem no estado com esse nome.

A mulher, que seria na verdade uma cuidadora de idosos, deixou a Penitenciária Estevão Pinto, em Belo Horizonte, às 16h30, com o rosto coberto por um casaco.

O soro fisiológico foi apreendido em mandado de busca e apreensão cumprido também na terça-feira, na casa da suposta enfermeira. A polícia esteve em uma clínica, mas nada foi apreendido no local.

A confirmação da perícia reforça a principal linha de investigação de que o material usado na vacinação clandestina, ocorrida na garagem de uma empresa de transportes e revelada em uma reportagem da revista piauí, na semana passada, seria falso.

Ainda na terça, a coluna Painel da Folha antecipou que a PF havia encontrado soro e ampolas com a mulher e que suspeitava que a vacina usada fosse falsa.

A PF também trabalha com as hipóteses de que as vacinas tenham sido importadas ilegalmente e que os produtos tenham sido desviados do Ministério da Saúde.

Bruno Agostini Ribeiro, advogado que representa Cláudia e os outros dois investigados, disse que só vai se manifestar dentro do processo.

Na segunda-feira, os dois irmãos empresários, ligados ao setor de transporte, Rômulo e Robson Lessa, apontados pela reportagem da revista piauí como responsáveis por organizar a vacinação irregular, confirmaram para a PF o envolvimento no caso e que adquiriram os supostos medicamentos via pagamento por Pix, no valor de R$ 600 por pessoa. A reportagem não conseguiu contato com os dois ou com seus representantes legais.

O Grupo Saritur diz que houve uma cisão administrativa em 2019 e que os dois irmãos já não fazem mais parte da direção do mesmo.

A Companhia Coordenadas, que tem caminhões no endereço onde ocorreu a vacinação e onde pessoas trabalham usando uniforme da Saritur, segundo a nota do grupo, funciona de forma independente. A Coordenadas, diz a assessoria da Saritur, é de Rômulo e Robson.

A Saritur diz ainda que nenhum de seus diretores foi citado na reportagem da piauí e que sua diretoria desconhece o assunto.

A reportagem também apurou que, segundo depoimento dos empresários, entre os dias 22 e 23 de março, mais de 80 pessoas teriam sido vacinadas. No evento registrado em vídeo por vizinhos da garagem que acionaram a Polícia Militar, o grupo seria de cerca de 50 pessoas, segundo a reportagem da piauí.

Fonte: Folhapress

Dê sua opinião: