Poderes

Governadores pressionam Bolsonaro para que negocie vacinas com China, Índia e Rússia

“Temos que pensar todos juntos, independente das diferenças, no povo brasileiro. Salvar vidas!”, defende.

Governador do Piauí, Wellington Dias (PT)

Governador do Piauí, Wellington Dias (PT) Foto: CCom

O governador do Piauí, Wellington Dias, presidente do Consórcio Nordeste e representante do Fórum dos Governadores do Brasil, protocolou, nesta quarta-feira (20), uma carta ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para garantir a vacinação de todos os brasileiros contra A Covid-19. Em vídeo, Wellington Dias, conclama os poderes Legislativo e Judiciário a se juntar na luta pela vacinação dos brasileiros.

Veja o vídeo! 


O documento pede que o governo federal acione a diplomacia brasileira para que abra um diálogo com a China, Índia e Rússia - países produtores do imunizante -, para garantir a entrega do IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) para a produção das vacinas no Brasil, através de Institutos como Butantan e a Fiocruz.

“Assim como recebemos as doses para este início que comemoramos, precisamos garantir vacinas para os meses de fevereiro, março, abril, maio, até imunizar todos os brasileiros”, diz Wellington Dias em vídeo divulgado hoje à noite.

O IFA é como a “semente” de uma vacina, um componente essencial. Para que as vacinas contra a Covid sejam feitas inteiramente no Brasil, o IFA deveria ser produzido aqui, mas tanto o Instituto Butantan quanto o BioManguinhos, da Fiocruz, dependem do Ingrediente Farmacêutico Ativo que é fabricado fora do país.

No ofício enviado à presidência, os 15 governadores signatários da Carta solicitam que “seja avaliada a possibilidade de estabelecimento de diálogo diplomático com os governos dos países provedores dos referidos insumos, sobretudo China e Índia, para assegurar a continuidade do processo de imunização no país”.

Através do documento, o governador do Piauí pretende conseguir apoio também de autoridades do Congresso Nacional, Poder Judiário e ex-presidentes do Brasil, fortalecendo o pedido a Bolsonaro. “Temos que pensar todos juntos, independente das diferenças, no povo brasileiro. Salvar vidas!”.

Fonte: CCom

Dê sua opinião: