Poderes

Wellington Dias quer investigação detalhada sobre crescimento de óbitos por Covid-19

A partir dos dados apresentados, o Governo do Estado, por meio de sua equipe técnica, deve anunciar quais medidas serão adotadas

Governador Wellington Dias pede investigação após aumento no número de óbitos por Covid-19 no Piauí

Governador Wellington Dias pede investigação após aumento no número de óbitos por Covid-19 no Piauí

Após o aumento no número de casos confirmados e óbitos decorrentes da Covid-19 no Piauí, o governador Wellington Dias  (PT) solicitou nesta quarta-feira (14) ao  Centro de Operações Emergenciais do Piauí (COE-PI) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) uma investigação para analisar o motivo no aumento da incidência da doença no estado. O objetivo é de que os órgãos possam analisar e entender os motivos que ocasionaram o crescimento na incidência de casos de Covid-19 nos últimos dias.

“O recente aumento do número de casos e óbitos por coronavírus é motivo de muita preocupação. Vamos agir como sempre fizemos desde o início da pandemia, seguindo a ciência. Determinei ao COE uma detalhada investigação dos motivos deste aumento. Aguardo o posicionamento do Comitê para novas decisões [...] Tínhamos uma média entre oito e nove óbitos e nos últimos dias registramos uma média de 14. Por isso, é preciso que investiguemos a fundo os motivos para que isso tenha acontecido”, alerta o governador.

A partir dos dados apresentados, o Governo do Estado, por meio de sua equipe técnica, deve anunciar quais medidas serão adotadas.

O gestor alerta ainda que as medidas de segurança e de saúde, amplamente incentivadas, devem ser mantidas para que o estado não retorne ao cenário anterior, no que diz respeito ao número de casos registrados.

“Não podemos retroceder. É preciso se manter vigilante quanto ao distanciamento social, o uso da máscara e todas as demais medidas sanitárias que o momento nos exige. O vírus continua ativo e não podemos voltar a patamares anteriores de infecção. Precisamos continuar salvando vidas”, pontua Dias.



Dê sua opinião: