Educar Piauí irá investir em ensino profissionalizante

Programa prevê o investimento de R$ 1,6 bilhão em melhorias na rede estadual de ensino

Reunião foi conduzida pelo governador Wellington Dias

Reunião foi conduzida pelo governador Wellington Dias

O  planejamento do Educar Piauí foi a pauta de reunião realizada nesta segunda-feira (13< entre o governador Wellington Dias e equipe da Fundação Getúlio Vargas (FGV), liderada pelo consultor Henrique Paim . O programa prevê o investimento de R$ 1,6 bilhão em melhorias na rede estadual de ensino, com recursos de precatórios judiciais do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

Fortalecer o ensino profissionalizante é uma das metas do plano. O governador defende a oferta de conhecimento, considerando as características da economia de cada município. “Saber pra onde vai o desenvolvimento desse município ou região e definir quais as profissões que precisamos”, explicou Dias.

O Educar Piauí prevê também ações de combate à evasão escolar, alfabetização de jovens e adultos e melhoria da eficiência, visando elevar o nível da educação no estado.

O recurso vai contemplar reformas de escolas já existentes, conclusão de equipamentos como quadra poliesportiva e laboratório, além da construção de novos prédios. Há previsão também de investimentos em recursos pedagógicos. “Aquisição de material de mobília, equipamentos, material de uso pedagógico, para que a gente possa reforçar o trabalho dos nossos professores e professoras, quanto ao que usam em sala de aula”, ressaltou Ellen Gera, secretário de Estado da Educação.

O precatório do Fundef vai complementar o investimento de R$ 2,2 bilhões, já previsto no orçamento do governo para a educação em 2020. O acompanhamento feito pela equipe de governo, aponta que a liberação do recurso já consta nas previsões dos ministérios do Planejamento e Fazenda. Participaram ainda da reunião, o secretário de Educação, Ellen Gera, e o procurador geral do Estado, Kildere Rone.

 

Fonte: CCom

Dê sua opinião: