Após denúncias, Hospital Justino Luz proíbe "atos íntimos" entre servidores

A medida foi necessária após a diretoria do Hospital Regional Justino Luz receber diversas denúncias afirmando que profissionais do hospital estariam se relacionando nas dependências do prédio.

Após denúncias, Hospital Justino Luz proíbe

Após denúncias, Hospital Justino Luz proíbe "atos íntimos" entre servidores

Após diversas denúncias, o Hospital Regional Justino Luz, em Picos, publicou uma portaria no último dia (1)  onde proíbe a prática de “atos íntimos”, entre servidores e prestadores de serviço nas dependências do hospital. Medida passa a valer a partir da data de sua publicação. 

De acordo com a portaria n° 014/2020, assinada pela diretora do hospital, Samara Sá,  proíbe qualquer ato que ultrapasse o limite de relacionamento profissional entre todos os servidores e prestadores de serviços do Hospital Regional Justino Luz. A decisão foi tomada após a direção receber denúncias anônimas relacionadas à prática de atos íntimos entre profissionais.

Segundo os próprios servidores do Hospital, o motivo da portaria seria porque profissionais que atuam na área de síndromes respiratórias do hospital estariam praticando os tais “atos íntimos”. 

Na mesma portaria, a assessoria de Comunicação do Hospital informou que a decisão foi uma orientação do Conselho Regional de Medicina (CRM) para que o hospital proíba qualquer ato íntimo dentro da unidade hospitalar. "Os atos proibidos compreendem demonstrações de carinhos de forma íntima, devendo os servidores dispensarem entre si tratamento eminentemente formal", destacou a nota.

A medida estabelece que em caso de infração, um Processo Administrativo Disciplinar deverá ser instaurado para investigar.

"A adoção da  medida justifica-se pela inadmissibilidade de condutas impróprias ao ambiente de trabalho as quais podem interferir e prejudicar o andamento normal das rotinas destes hospital servindo também como orientação de como agir e se portar no campo profissionais", diz a portaria.

Confira a íntegra da portaria publicada no dia 1 de julho:


Dê sua opinião: