Câmara Teresina

Impacto econômico de bares e restaurantes da capital é tema de debate na Câmara

Audiência Pública realizada na manhã desta quinta-feira (11), tratou sobre o assunto

Impacto econômico de bares e restaurantes da capital é tema de debate na Câmara

Impacto econômico de bares e restaurantes da capital é tema de debate na Câmara Foto: Assessoria Parlamentar

A  Câmara Municipal de Teresina (CMT), realizou na manhã desta quinta-feira (11) uma audiência pública para discutir o impacto econômico de bares e restaurantes da capital. A ação foi  proposta pelos vereadores Joaquim Caldas (MDB), Edilberto Borges - Dudu (PT) e Luís André (PSL).

O vereador Luís André, presidente da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização da CMT, afirmou que haverá um encaminhamento de soluções à prefeitura da Comissão que não prejudique a classe empresarial, mas que seja congruente com a situação atual da pandemia na capital.

“Iremos encaminhar à prefeitura de Teresina soluções que discutimos na audiência, como a redução de impostos, taxas, IPTU, ICMS, entre outros tributos, assim como as concessões, que podem ser uma solução viável para reduzir o impacto econômico dos bares e restaurantes”, disse o vereador.

Um dos temas apresentados na audiência foi a possibilidade de um "Lockdown geral" no município de Teresina. O vereador Luís André ressalta não se pode ignorar a situação dos leitos que estão todos ocupados em Teresina .

“O lockdown será inevitável para evitar um colapso na saúde pública. A audiência foi essencial para discutir  e entrar em um consenso sobre medidas mais rigorosas, principalmente a questão do lockdown geral por dez dias em nossa cidade, intensificando a fiscalização de eventos clandestinos que acontecem fora da cidade, assim como colocar barreiras sanitárias na saída de Teresina”, frisou.

A audiência contou com a participação de representantes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Piauí (Abrasel), Guarda Civil Municipal (GCM), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), Sindicato de Hotelaria e Gastronomia do Piauí, Vigilância Sanitária, CDL e Polícia Militar e Secretaria Estadual de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI).

Dê sua opinião: