Câmara Teresina

Vereadores aprovam Projeto de Lei que institui a Equoterapia em Teresina

A proposta foi de autoria do vereador Dr. Lázaro (Patriotas)

Câmara de Teresina aprova Projeto de Lei que institui a Equoterapia em Teresina

Câmara de Teresina aprova Projeto de Lei que institui a Equoterapia em Teresina Foto: Assessoria Parlamentar

A Câmara Municipal de Teresina (CMT) aprovou durante sessão ordinária realizada nesta quarta-feira (23) o Projeto de Lei de Autoria do vereador Dr. Lázaro (Patriotas) que institui a equoterapia no município de Teresina. O projeto foi aprovado por unanimidade.

A equoterapia, também chamada de equiterapia ou hipoterapia, tem o objetivo de recuperar pacientes que tenham algum comprometimento físico ou mental, utilizando técnicas de equitação. Normalmente o paciente é acompanhado por vários profissionais, como psicólogo, fisioterapeuta, médicos, técnicos de equitação.  A Equoterapia é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina - CFM (6 de Abril de 1997), e pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO (27 de Março de 2008).

O proponente do projeto, Dr. Lázaro, explica que o método terapêutico da equoterapia, teve êxito em sua abordagem em diversas cidades, e agora com a aprovação do Projeto de Lei,  o método deve ser institucionalizado na capital para o tratamento de crianças e adultos com algum tipo de deficiência.

“Um projeto de nossa autoria foi aprovado. Que institui o programa municipal de equoterapia, voltado para crianças e adultos com deficiência. Uma experiência formidável em várias cidades, e agora esperamos que aqui em Teresina se institucionalize, devido a seus baixos custos, a praticidade e a possibilidade de a Prefeitura de Teresina fazer parcerias tanto com instituições públicas quanto instituições privadas”. 


“É fundamental que as pessoas portadoras de deficiência tenham  essa possibilidade de ter um tratamento adequado, a sua recuperação com dignidade, e a possibilidade de inclusão dentro da sociedade, respeitando o seu grau de deficiência”, finaliza o parlamentar.

Dê sua opinião: