Alepi

Deputados repercutem a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro pela PF

Cícero Magalhães parabenizou o STF e o ministro Alexandre de Moraes

Ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro

Ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro Foto: Poder360

O deputado Cícero Magalhães (PT) disse, nesta quarta-feira(22), que a prisão do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, pela Polícia Federal mostra que o Governo Jair Bolsonaro é o mais corrupto da história do Brasil.


Cícero Magalhães iniciou seu discurso parabenizando o Supremo Tribunal Federal (STF) e o ministro Alexandre de Moraes, daquele Poder, pela adoção de medidas contra as fake news divulgadas no país e a prisão de aliados do atual presidente, citando, dentre eles, Allan dos Santos e Zé Trovão.


O parlamentar petista declarou que a prisão de Milton Ribeiro confirma aquilo que o povo já sabia e que mostra a corrupção praticada junto ao FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).


Em aparte, o deputado Francisco Limma (PT) defendeu a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar as denúncias de corrupção no MEC, assinalando que o FNDE é dirigido por um aliado do ministro da Casa Civil, senador licenciado Ciro Nogueira (Progressistas).


O deputado Franzé Silva (PT) disse que é covardia o presidente Jair Bolsonaro dizer que não tem nada a ver com as acusações de corrupção no Ministério da Educação já que foi ele que nomeou Milton Ribeiro para dirigir o órgão. “Isso mostra que ele é um falso líder”, assinalou.


O líder do Governo, deputado Francisco Costa (PT), disse que as ações da Polícia Federal poderão mostrar ainda que ocorreram superfaturamento na compra de kits de robôtica e em licitação para aquisição de ônibus com recursos do FNDE.


Ao finalizar o seu pronunciamento, Cícero Magalhães disse que Jair Bolsonaro soube antecipadamente da prisão do ex-ministro e de pastores envolvidos nas denúncias de corrupão e tentou desviar a atenção do povo propondo a instalação de uma CPI da Petrobrás.


“O Bolsonaro nunca é culpado de nada. Mas o povo não continuará a acreditar nas mentiras dele”, afirmou o deputado petista, responsabilizando o Governo Federal pelos aumentos nos preços dos combustíveis.



Gustavo Neiva elogia o trabalho da Polícia Federal e das instituições


O deputado estadual Gustavo Neiva (Progressistas) disse hoje (22), na tribuna da Assembleia Legislativa, que está feliz por assistir aos parlamentares do PT elogiarem a atuação da Polícia Federal, da Justiça Federal, do Ministério Público Federal e até do Supremo Tribunal Federal na apuração de denúncias contra membros e ex-membros do governo. Para ele, são as instituições que sustentam a democracia.


“Mas, é bom lembrar que em um passado recente, numa época de mensalão, de petróleo, todos os ex-tesoureiros do PT foram presos, o núcleo duro do PT foi preso, dentre eles os ex-ministro José Dirceu, Paulo Bernardo, Antonio Palocci, Guido Mantega e outros tantos que dava para formar mais de um ministério. O PT criticava abertamente as instituições e hoje bate palmas quando um ex-ministro do atual governo é preso. Não podemos ter dois pesos e duas medidas. Não vamos atirar pedras se antes éramos vidraça”, afirmou.


Gustavo Neiva disse ainda que o fato da pessoa ser presa não tira o amplo direito da defesa e do contraditório e a Polícia Federal só prende se tiver uma ordem emanada do Judiciário, que, obviamente, enxerga fatos na denúncia que precisam ser esclarecidos. E esse direito existiu no passado e existe agora no presente, tanto é assim que das dezenas de pessoas que foram presas anteriormente muitas provaram a inocência e outras continuam presas, cumprindo as suas penas.


“Para botar o trem nos trilhos é preciso manter a coerência. Precisamos manter as nossas instituições para que elas continuem garantindo a democracia. Para os petistas, naquela época a Polícia Federal não prestava, a Justiça não prestava e hoje estão fazendo o seu trabalho. Pois eu quero parabenizar todas as instituições pelo trabalho de ontem e de hoje”, finalizou.


Fonte: Alepi

Dê sua opinião: