PODER

Governo vai exigir "passaporte de vacina" para acesso aos órgãos públicos do Estado

Decreto tornando obrigatória a apresentação do cartão de vacinação para acesso aos órgãos estaduais

Governador do Piauí, Wellington Dias (PT)

Governador do Piauí, Wellington Dias (PT) Foto: CCom

O governador do Piauí, Wellington Dias, prepara um novo decreto contra os "negacionistas", pessoas que não creditam na eficácia dos imunizantes e se negam a tomar a vacina contra a Covid-19: só terá acesso aos órgãos públicos do Estado quem apresentar o "passaporte da vacina", isto é, o comprovante de vacinação contra a Covid-19.

A exigência acontece no mesmo dia em que o presidente Bolsonaro postou mensagem nas redes sociais sobre a edição de uma Medida Provisória para dar ao governo federal - e somente a ele -  a prerrogativa de exigir ou não o "passaporte" da vacina. Estado e municípios reagiram de imediato à "provocação" de Bolsonaro.

O novo decreto será publicado ainda nesta semana, tornando obrigatória a apresentação do cartão de vacinação da entrada dos órgãos estaduais, avisou nesta segunda-feira (6),  o  secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto. A comprovação da vacinação contra a Covid-19 poderá ser feita com a apresentação do cartão de vacinação impresso em papel timbrado, emitido e cedido pela instituição onde foi realizada a imunização ou pelo certificado de vacinas digital, disponível na plataforma do Sistema Único de Saúde - Conecte SUS.

“77% da população já recebeu a primeira dose. E estamos com 64.08% da população que recebeu também a segunda dose. A nossa meta é chegar no Natal com mais de 70% da população recebendo a segunda dose”, anunciou o secretário Florentino Neto.

O "passaporte" da vacinação contra a Covid-19 jé exigido pelo Ministério Público do Trabalho desde o dia 28 de outubro. O Ministério Público Federal no Piauí também exige a comprovação da vacina, tanato pelos servidores do MPF-PI, quanto quem busca atendimento nas unidades do Ministério Público Federal no Piauí.

Fonte: Paulo Pincel

Dê sua opinião: