PODER

Governador vai decretar Lei Seca no Piauí no final de semana

Piauí registou um aumento do número de mortos e de infectados pela Covid-19

Governador Wellington Dias pede investigação após aumento no número de óbitos por Covid-19 no Piauí

Governador Wellington Dias pede investigação após aumento no número de óbitos por Covid-19 no Piauí

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), vai voltar a adotar a  "Lei Seca" no próximo final de semana – de sexta-feira (23) a domingo (25), como forma de barra o avanço da Covid-19 no estado. Na última semana, houve um aumento do número de morto e dos casos de contaminação pelo novo coronavírus.

"Também cresceu os óbitos. Nós tínhamos alcançados menos de seis óbitos na média. Saímos de mais ou menos 30 (óbitos) na média diária para seis diárias. É alto, mas é bem mais baixo. Agora, voltamos a ter o crescimento na fase de 10 óbitos por dia. É isso que a gente quer conter. Eu tenho alertado. Primeiro: evitar uma propagação perigosa. Já fizemos todo o sacrifício de empresas, de pessoas, do setor público e do setor privado. Não podemos perder o que fizemos. Temos que conter enquanto não sai as vacinas. Garantir uma transição de forma segura. Vamos ter que ter a participação de todos", conclamou.

Wellington Dias alerta para evitar que o avanço da Covid-19 venha a comprometer  a votação no dia da eleição. "Pode chegar o dia 15 de novembro, com o indicador muito alto de adoecimento, de problema de internação, problema de óbitos, então muita gente vai deixar de votar. Isso não é bom para a democracia. Se a gente fizer a contenção agora. O efeito que a gente fizer nesse final de semana e no próximo terá efeito daqui a 14 a 21 dias, ou seja, nós vamos chegar na eleição em uma situação melhor", acredita.

A curva de transmissibilidade do novo coronavírus voltou a crescer. "Estamos adotando novas medidas de restrição que foram aprovadas pelo COE (Centro Operacional de Emergência) na última sexta-feira (16). Vamos ter a 'Lei Seca' na sexta, no sábado e domingo. Lá atrás, uma pessoa com coronavírus estava transmitindo para outras três, era uma 'coisa perigosa'. Com as medidas, a gente conseguiu conter e isso foi descendo, caiu, e a gente chegou a uma pessoa transmitindo para menos da metade, ou seja, era duas pessoas transmitindo para uma. Isso voltou a crescer", lamentou o governador, em entrevista aos jornalistas Joelson Giordani e Elivaldo Barbosa, da TV Cidade Verde, direto de Parnaíba, onde participava da inauguração do Centro Integrado de Reabilitação.

Wellington Dias também vai conversar com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador José James Pereira, para a adoção pelos partidos e candidatos de medidas sanitárias e de higiene para evitar as aglomerações durante a campanha.

"Como fazer a campanha como manda a democracia evitando os riscos de crescimento de óbitos e de internações, como já acontece na região de São Raimundo Nonato”, citou. "Eu sei que não é só a questão das eleições. Tem muita gente sem usar a máscara, muita gente sem obedecer ao distanciamento, sem a preocupação da higiene e das mãos. Pessoas que saem e voltam com o coronavírus para casa. A população jovem está morrendo. Nós não queremos perder os seres humanos. Em nome disso, estou adotando medidas combinadas com a área técnica, com a justiça eleitoral, combinado com os partidos e os candidatos. É preciso evitar as grandes aglomerações, precisamos vê como garantir que os candidatos se apresentem aos eleitores, mas de forma segura cumprindo as regras", defendeu Wellington Dias.

Fonte: Paulo Pincel

Dê sua opinião: